Dust Bowl: Anos de práticas inadequadas do solo

A Dust Bowl (Foto 1), foi um dos maiores desastres ambientais da história dos Estados Unidos que ocorreu durante a década de 30. Uma série de fortes tempestades de poeira que durou quase dez anos, transformou 40 milhões de hectares de terras férteis em deserto.

Uma casa de campo com Dust Bowl a propriedade
Foto 1: Uma casa de campo com Dust Bowl invadindo a propriedade.

Consequência do Dust Bowl

Anos de práticas inadequadas de manejo de solo causaram o desaparecimento da grama nativa e secas históricas desencadeadas pelas temperaturas irregulares. Fazendo com que o solo se tornasse suscetível às forças do vento, que provocaram uma seca induzida pelo alto nível de partículas de solo suspensas no ar, que despojado de umidade, era levado pelo vento em grandes nuvens de pó e areia tão espessas que esconderam o sol por vários dias.

A onda de calor aconteceu pelo que o homem tinha feito: arado as pastagens, isso porque a superfície da terra plantada se esfriava bastante durante o dia através da evaporação, mas quando as plantações não estavam mais lá isso não era possível, então ela precisava se resfriar através de irradiação de calor transferida para a atmosfera.

Com os ventos irregulares, quando as partículas mais pesadas caem de volta no chão, elas espalharam as mais leves para o ar, gerando as nuvens gigantes que cobriam as cidades, o que causou diversas doenças respiratórias na época. 

Enquanto as pessoas se escondiam tentando se proteger como podiam, o gado corria em círculos inalando poeira até morrer com os pulmões cheios de lama, o que significava falta de carne e de leite, mais um problema além dos campos que não tinham plantações, com o prolongamento das secas, a água ficava cada vez mais escassas.

A seca era prolongada pois tempestades de poeira impediam as chuvas, já que a poeira na atmosfera reflete parte da radiação do sol de volta ao espaço e chega menos a superfície, e menos sol significa redução da quantidade de evaporação da umidade do solo, umidade essa que ajuda a carregar as nuvens que normalmente dão chuvas as colheitas.

Contexto histórico

Desde 1860 começaram os maus tratos com a terra, poucos anos depois se iniciaria a corrida na agricultura, onde o governo criou políticas de colonização para atrair pessoas ao oeste para plantar em terras impróprias e com chuvas inadequadas.

Nas primeira duas décadas as coisas pareciam ir bem os fazendeiros daquela região, os Estados Unidos era um dos maiores exportadores de trigo depois da primeira guerra mundial, famílias diziam lucrar muito com suas colheitas, até em 1929 veio a queda da bolsa de valores e o preço do trigo caiu absurdamente, logo depois, em 1931, uma grande seca e então em 1932 as plantações morreram pois não eram resistentes à seca como a grama nativa, deixando o solo fértil exposto ao calor e ao vento.

Tempestade negra de areia invadindo a cidade.
Foto 2: Dust Bowl invadindo a cidade.

O ciclo de desastres do Dust Bowl de seca, tempestades de poeira, doenças e colheitas fracassadas enfrentou outras catástrofes: as pragas e uma eletricidade estática tão forte que poderia derrubar um homem e matar plantações. O calor combinado com a pouca chuva causou invasões de insetos nas casas que surgiam por entre a madeira do piso buscando sombra e água dentro das casas das pessoas, o que poderia ser ameaçador à vida, já que eram insetos perigosos. 

Poços desapareciam com a seca, matando populações de aves e roedores que mantinham algumas das pragas sob controle, causando um desequilíbrio ambiental. Já as lebres que sobrevivem bem ao calor e com pouca água, começaram a se multiplicar demais pois seus predadores naturais, os coiotes e os texugos, teriam fugido ou foram mortos pela seca. O simples fato do vento soprar as partículas de poeira e elas rolarem pelo chão ou subir pelos ares causava fricção e transferência de energia elétrica. 

Solução

Em 4 de março de 1933, com a posse de Franklin D. Roosevelt surgiu um pouco de esperança, onde ele fez sua campanha em cima do “New Deal” que seria uma ajuda aqueles que mais sofreram com a depressão, inclusive o fazendeiro. Seu primeiro passo foi convencer o congresso a aprovar o decreto emergencial de fazendas hipotecadas, estendendo o pagamento de empréstimos e oferecendo 200 melhores empréstimos a juros baixos para ajudar fazendeiros em riscos de execução hipotecária.

O topógrafo do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos por 32 anos, Hugh Bennett, foi um dos poucos que reconheceu que algo além de uma seca havia causado a Tempestade Negra. Só depois disso o congresso criou noção do que se estava acontecendo, e duas semanas depois Roosevelt criou o Serviço de Conservação do Solo no Departamento de Agricultura nos EUA, o primeiro gabinete do gênero no mundo.

Então Bennett buscou replantar a pradaria e semeou 40 mil hectares de grama nativa no Kansas, mas Roosevelt queria algo instantâneo, ele criou um plano chamado “Proteção contra o vento” com o intuito de plantar uma gigantesca fileira de árvores da fronteira canadense até a fronteira mexicana com 160km de largura, achando que as árvores os protegeria do vento e entre elas poderiam plantar.

E com o programa chamado “Operação Dust Bowl”, Bennett apresentou aos fazendeiros novas maneiras de lavrar a terra, o uso do arado múltiplo criou sulcos profundos e revirou o solo em altas cristas alinhadas com os ventos dominantes, a superfície reestruturada do solo reduziu a erosão. 

Quer saber mais do assunto? Aqui temos um artigo para ler:

SCHUBERT, Siegfried D. et al. Sobre a causa do Dust Bowl dos anos 1930. Science , v. 303, n. 5665, pág. 1855-1859, 2004.

Aqui também tem um pequeno documentário falando um pouco do tema:

Stories from the Dust Bowl (2005). Acessado em 29/03/2021

Gostou do artigo?

Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkedin

MAIS

Deixe um comentário

Leave a Reply