Mercado de produtos florestais no Brasil

Saiba como funciona o mercado de produtos florestais no Brasil, seus principais produtos e utilidades.

O Brasil, em razão de suas características climáticas, é um potente país no mercado de produtos florestais. Este mercado apresenta uma grande variedade de produtos e um amplo conjunto de atividades que envolvem sua cadeia produtiva, desde a produção até a transformação da matéria prima. O Sistema Agroindustrial Florestal (SAG-florestal) brasileiro produz  produtos in natura, semiprocessados e processados. 

Os produtos in natura não passam por transformações e correspondem a lenhas, folhas e toras. Os produtos semiprocessados e processados correspondem a transformação da madeira in natura em celulose, papel, tábuas, pisos, madeira serrada, carvão vegetal, e produtos não madeireiros. O país se destaca pelo plantio de florestas homogêneas, como a de pinus e do eucalipto, que permitem a produção de diversos produtos.

Dados da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO) demonstram que a cobertura florestal do Brasil corresponde a 12% das florestas totais no mundo. Isto significa uma área de 493,5 milhões de hectares de florestas naturais e plantadas, sendo, contudo, de maioria natural. O mesmo estudos também aponta que, em 5 anos, o Brasil diminuiu bastante hectares de suas florestas naturais.

Uma árvore de eucalipto ou de pinus pode ser inteiramente vendida para utilização na produção de produtos semiprocessados e processados, como celulose ou chapas de madeira. Os preços dessas partes da árvore podem ser definidos pelo preço da árvore em pé ou com os produtos empilhados. Nesse contexto, as medidas utilizadas no mercado de produtos madereiros são o metro estéreo e o metro cúbico sólido. O metro estéreo é o metro cúbico de lenhas empilhadas, incluindo o espaço vazio entre elas. Já o metro cúbico sólido desconsidera esses espaços. Ademais, as madeiras semiprocessadas são mensuradas em metro cúbico sólido. 

A seguir veja algumas espécies com importância comercial no mercado de produtos florestais no Brasil:

Ipê amarelo

Resultado de imagem para ipê amarelo plantação

Handroanthus chrysotrichus (Família Bignoniaceae).

Apresenta ciclo longo, entre 20 e 25 anos para o corte da madeira.

Madeira utilizada na construção civil: Vigas, barrotes, portas, janelas e assoalhos.

Angico-do-morro

Resultado de imagem para angico do morro

Anadenanthera colubrina (Família: Fabaceae)

Apresenta ciclo curto. 5 anos para lenha, 8 anos para mourão e entre 20 e 30 anos para serraria.

Madeira utilizada para marcenaria, desdobro, embalagens, construção civil e naval, lenha, mourão, carpintaria, serraria e carvão de boa qualidade.

Maçaranduba

Resultado de imagem para massaranduba arvore

Persea willdenovii Korsterm (Família: Lauraceae)

Madeira de ciclo longo, entre 40 e 50 anos.

Utilizada na confecção de móveis de luxo, canoas e contrução civil.

FLORESTAS NOBRES

Nesse mercado existem plantios organizados com objetivo principal de obter madeira nobre para atender à demanda de produtos. As madeiras nobres possuem características de resistência, além de apresentarem boa qualidade se diferenciarem pelo tempo de corte. Por isso, elas possuem um alto valor de mercado interno e externo. Algumas delas são: Mogno Africano, Pau-Brasil, Cedrinho, Ipê Roxo, Acácia, Peroba rosa, Teca, Jequitibá e Guanandi.

Tem interesse em se inserir nesse mercado? A Inovagro Jr. pode de ajudar.

Receba também nossos E-Books gratuitamente:
Ebooks
Referências

MOREIRA, JMMAP; DE OLIVEIRA, E. B. Importância do setor florestal brasileiro com ênfase nas plantações florestais comerciais. Embrapa Florestas-Capítulo em livro científico (ALICE), 2017.

OLIVEIRA, Paulo Fabrício Dorneles de. O mercado brasileiro dos produtos florestais madeireiros. 2015.

SILVA, Liniker Fernandes da; DA SILVA, Márcio Lopes; CORDEIRO, Sidney Araujo. Análise do mercado mundial de madeiras tropicais. Revista de Política Agrícola, v. 21, n. 3, p. 48-54, 2012.

CNA Brasil

Gostou do artigo?

Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkedin

MAIS

Deixe um comentário

Leave a Reply