Rastreamento de Produtos Agrícolas

Segurança na cadeia produtiva de alimentos

A rastreabilidade de produtos agrícolas permite o controle da qualidade dos produtos e informações sobre os alimentos agrícolas para consumo, desde a origem até o consumidor, trazendo assim a segurança na cadeia produtiva de alimentos.

A inserção de sistemas ou mecanismos de rastreabilidade dos produtos agropecuários e alimentares está muito voltada a preocupação do mercado da troca desses produtos internacionalmente. Ademais, isso também está relacionado, evidentemente, a exigência da certificação.

Segundo Vinholis & Azevedo (2000), um sistema de rastreabilidade informatizado ou não, permite seguir, rastrear informações de produtos, processos e até serviços, dentro de uma cadeia de produção. Isto é, é um mecanismo constituído por medidas que permitem identificar a origem de um produto, controlar e monitorar suas movimentações desde o campo ao consumidor [Figura 1].

fluxo de rastreamento na cadeira produtiva
Figura1: Fuxo de rastreamento

Dessa forma, o objetivo da rastreabilidade é garantir à produção qualidade e procedências originais dos produtos. Por isso, esse mecanismo está atrelado ao gerenciamento da qualidade, sendo assim, um complemento para sistemas de controle de qualidade. Exemplos: Hazard Analysis Critical Control Point – HACCP e códigos de boas práticas, como o Eurepgap no caso de frutas.

Diante disso, Souza (2001) afirma que o sistema de rastreabilidade possui diversas finalidades, dentre elas:

  • Garantir que durante um processo de um produto apenas encontrem-se materiais e componentes de qualidade;
  • Permitir que um determinado produto suspeito na cadeia inicial seja retornado;
  • Localizar e identificar falhas em produtos já em processos iniciais, e consequentemente, tomar medidas corretivas menos custosas.

Todas as informações dos produtos à venda em supermercados devem estar disponíveis em etiquetas, código de barras, códigos alfanuméricos, QR Code ou algum outro meio que permita identificar a sua origem [Figura 2].

Figura 2: Rótulo para identificação do produto
Fonte: PROMTEC bobinas e etiquetas

Importância da rastreabilidade no mercado:

O rastreamento e monitoramento da cadeia produtiva é regulamentada pela Instrução Normativa Conjunta nº 02/2018, do Ministério da Agricultura e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Produtos que são rastreados possuem um grande diferencial no mercado, e, portanto, tornam-se mais competitivos e menos sujeitos às instabilidades da globalização. Assim, Machado (2000) delega as principais importâncias do processo de rastreamento para segmentos de distribuição/varejo e da indústria de alimentos, sendo estas:

  • Completividade e consequentemente concorrência através da qualidade e relação com os fornecedores;
  • Fortalecimento da imagem da empresa;
  • Posicionamento de marca;
  • Contribui com a criação de estratégias de marketing para competição no mercado.

Um sistema eficiente de rastreamento deve ser constituído por normas e referências que consigam garantir e preservar toda a cadeia produtiva de um bem. Portanto, a produção certificada não assegura que um produto seja rastreável, mas um produto rastreável ratifica que o mesmo passou por um processo de certificação.

Conclusão

É possível notar que qualidade e certificação caminham lado a lado no mundo globalizado, no qual cobra-se cada vez mais avaliação das implicações ambientais do sistema produtivo. Muito disso é decorrente de modificações tecnológicas experimentais no campo que resultaram exigências mais refinadas e específicas pelos consumidores finais.

Ler mais sobre: https://bit.ly/3iAU8Kk

Referências Bibliográficas:

DA SILVA, I. J. O. A rastreabilidade dos produtos agropecuários do Brasil destinados à exportação. Pecuária de Corte, NUPEA/ESALQ/USP, p. 3-7, 9 maio 2012. Disponível em: <https://pt.engormix.com/pecuaria-corte/artigos/rastreabilidade-dos-produtos-agropecuarios-t37636.htm.>Acesso em: 12 ago. 2020.

VINHOLIS, M.B.; AZEVEDO, P.F. Efeito da rastreabilidade no sistema agroindustrial da carne bovina brasileira. X World Congress of Rural Socology, 2000. Rio de Janeiro. V1, p.1-14.

SOUZA, E.L.L. Preservação de identidade de grãos e a coordenação dos sistemas agroindustriais. Piracicaba. 2001. 167p. Dissertação (Doutorado). Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo.

Gostou do artigo?

Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkedin

MAIS

Deixe um comentário

This Post Has 3 Comments

  1. Danilo Barros

    Eu amei o texto, é tendência no agro e agrega valor ao produto

  2. Xavier Nedeau

    I love it when people come together and share opinions, great blog, keep it up.

  3. zortilo nrel

    Great line up. We will be linking to this great article on our site. Keep up the good writing.

Leave a Reply